banner

VIKING- MISTÉRIO- RELIGIÃO - RUNAS- CONQUISTAS- ODIN



Série Vikings. Produzida pelo History Channel,  apresenta os famosos exploradores, comerciantes, guerreiros e corsários nórdicos a partir do seu ponto de vista.



Os navios #vikings foram muito importantes em contextos funerários e são retratados na maioria das pinturas em pedras .





                               The Vikings Exhibicion em Nova York #nyc na #timesquare 







Armaduras Vikings



#THOR



#LOKI






Literatura nórdica. Vale a pena ler: A Saga de Njal- Carmem Seganfredo; Beowulf- A. S. Franchini, Ragnarok- A.S. Byatt. 


                                               O CAMINHO PARA HEL/INFERNO

Hel é um terceiro reino, o  da morte, que aparece nas fontes nórdicas antigas. O nome Hel significa escondido ou oculto. Descrições de Hel sugere que alguém que morreu de morte natural, tais como doença ou velhice, vão para lá. No entanto, as descrições são contraditórias- o  filho de #Odin,  #Balder,   morto por engano, foi enviado para Hel.
Ao contrário do inferno cristão, o Inferno Nórdico é eternamente frio. A estrada para Hel, "para baixo e para o norte", é  congelada e escorregadia. Isto levou a uma tradição de fixar pregos nos   pés do morto para que possa caminhar com segurança.
A Deusa de  Hel também é chamado #Hel. Ela é descrita  como "pálida como um cadáver e metade azul como carne podre". Seu reino é vigiada por  Garm, um cão que vive na entrada do "portal". 




Na alça da Chave (para entrar no Outro Mundo)  desenho de uma cruz cristã.



A jornada do cristão para o Paraíso

Para os cristãos, o objetivo era alcançar o Paraíso após a morte. Para chegar lá, a alma tinha que ir em uma longa e perigosa viagem. Havia muitos obstáculos. O paraíso foi rodeado por um rio  sulfuroso escuro, cheio de pontas de ferro penetrantes. A única entrada  era uma ponte estreita. Almas perversas caiam  no rio a partir da ponte ou foram forçados a atravessá-la. Só o  justo era capaz de caminhar livremente para o outro lado.
Muitas sepulturas contêm objetos que ajudem os mortos em sua viagem para o Paraíso. Alguns são simples, como um objeto de ferro afiada para afastar o mal. Outros são mais elaborado. Uma chave de bronze com alças decoradas ,  representam chave de São Pedro para a porta dos céus. Algumas sepulturas em Birka contem jarras de vinho decorado com a Cruz Cristã, sendo  usado para dar a comunhão aos moribundos.




VALHALA- #Odin e as #Valquírias

O reino da morte #Valhala tem o  salão de Odin, o mais famoso dos reinos pré-cristãos . Em Valhalla, no "Salão dos Mortos",  Odin recebe guerreiros mortos em batalhas, escolhidos pelas Valquírias. A saga de Njal descreve  como as  12 Valquírias tecem  o fim da batalha. 

As #Valkírias foram retratados em imagens nas  pedras,  bebendo em  chifres, enquanto dão boas vindas aos guerreiros mortos ou  à Odin em  Valhala. Elas  também são retratados em pequenos pingentes, que foram encontrados apenas nas sepulturas da aristocracia feminina. Na  Mitologia Nórdica, elas recebem os guerreiros no começo da cerimônia. 



A guerreira Valquíria, na #astrologia pode ser associada ao signo de #Áries e na umbanda a #Yansã


Pingentes que representam a  Valkíria




              Amuletos,  garantia de proteção dos Deuses

Alguns amuletos são versões em  miniatura de objetos do cotidiano, como machados, foices ou facas. Amuletos na forma de seres humanos ou animais são mais raros. Muitos #amuletos são associados a  poderes especiais de deuses específicos. Foices em miniatura  são muitas vezes ligados a  #Freyr, o deus da fertilidade. Martelo  pode ser associado  com Thor. 
Pingentes de  Anéis - símbolo de  lealdade - foram usadas para jurar fidelidade aos governantes e deuses.





OS BROCHES E ACESSÓRIOS EM PRATA, OSSO, VIDRO


Os broches eram acessórios muito estimados entre os  Vikings. Serviam como adorno sob suas mantas,

 peles de animais e também eram usados com colares. Quanto mais rico o viking fosse,  mais acessórios 

 usava. Foram encontrados broches em túmulos de grandes líderes vikings de até 1 kg de 
ouro. Na Suécia, vale a pena  conhecer o Museu Nacional de Antiguidades (Historiska Museet), localizado no
 centro de Estocolmo. Seu acervo possui grandes coleções de joias de ouro e prata e utensílios da vida 
cotidiana dos antigos escandinavos.
















                                       ODIN

    
Odin é o mais poderoso de todos os deuses nórdicos. Deus da sabedoria e da guerra. Tem apenas um olho, 
depois de ter sacrificado  em troca de sabedoria. Aprendeu a arte de escrever com #runas depois de pendurar-se nos 
 ramos da árvore do mundo, #Yggdrasil, durante nove dias e noites. Odin vive em Valhalla e é dono de   
#Sleipnir, seu cavalo de 8  patas. Sua lança - #Gungnir - é seu símbolo.







ORAÇÃO DE ODIN 


“Estive pendurado nove noites
na árvore açoitada pelos ventos,
por lança trespassado e dado a Odin
eu mesmo, a mim mesmo, naquela árvore
que nenhum homem sabe de onde brota.
Com pão não me abençoaram, nem com chifre,
olhava para baixo; e então tomei
as runas eu tomei vociferando,
de lá tombei de novo depois disso.
Encantamentos nove eu aprendi
daqueles filhos célebres de Boltor,
o pai de Bestla; e foi-me dado então
beber do hidromel caro de Odreri.
Depois revigorei-me e fiz-me sábio,
cresci e logrei ter maior poder;
dito buscava dito de meu dito,
obra buscava obra de minha obra.
Runas tu hás de encontrar e letras lidas,
letras mui grandes, letras mui robustas,
e pelo grande sábio desenhadas
e pelos grandes deuses engendradas,
e pelo Hropt divino entalhadas.
Entre os ases Odin, e entre os elfos
Dáinn, e Dvalinn diante dos anões,
e diante dos gigantes está Ásvid,
e eu próprio talhei algumas delas.
Sabes como entalhar, tu sabes ler?
Sabes como traçar, sabes testar?
Sabes como pedir, como imolar?
Sabes sacrificar, sabes matar?
Melhor é não pedir que imolar muito,
sempre o regalo atenta ao pagamento;
melhor sem sacrifício que matança.
Assim à gente diva Thund talhou;
lá, de onde retornou, ele se ergueu.”


                    A ORIGEM DAS RUNAS: MISTICISMO E TEORIAS


  




Na  maioria das religiões Neo-Pagãs, a fé  postula uma crença na magia e no reino espiritual.  O tipo mais comum de magia encontrada na tradição Ásatrù é o uso das #runas como oráculo. As runas são um alfabeto mágico encontrado de diversas formas em todo o mundo germânico e a forma mais comum usada atualmente é conhecida como Elder Fuþark (ou Futhark antigo) composto por 25 runas. Tal como o abecedário, o Futhark tem este nome devido às primeiras seis letras rúnicas – ᚠᚢᚦᚨᚱᚲ e, toda a criação da runas está ligada ao misticismo.

O termo “Runas”, em norueguês antigo (“Run”) significa “segredo” e em alemão antigo significa “sussurro”. A ideia se resume no próprio termo: Runas são segredos sussurrados. Segundo os antigos mitos, segredos sussurrados pelos deuses para os homens que se abrem para ouvir.
Muitas teorias a respeito da origem das Runas são estudadas, dentre elas, podemos destacar as seguintes: 

A Teoria Romana
Esta teoria foi apresentada pela primeira vez em 1874 por L.F.A. Wimmer e afirma que as runas são um resultado da adaptação do alfabeto romano (ou latino). Supõe-se que os povos germânicos antigos, que entraram em contato com a cultura romana através da invasão dos teutões e Cimbri, estavam familiarizados com o alfabeto romano escrito como no Século II a.C. Eles então adaptaram o alfabeto romano para as runas e começaram a usá-lo e espalhá-lo por meio de rotas de comércio para os países escandinavos e depois para o leste a partir daí.
A única coisa que precisamos prestar atenção nesta teoria é o fato de que há pouca evidência das runas próximas a terras romanas em tal momento. No entanto, a propagação das runas em países escandinavos e, de lá para o leste, pode significar que a adaptação do alfabeto romano não estava completa até que as runas começaram a se espalhar para o norte.
A Teoria Indígena
Apresentou pela primeira vez em 1896 por R.M. Meyer e popularizou-se pela Alemanha nacional-socialista. Essa teoria afirma que as runas eram um alfabeto original gentílico, além de afirmar ter sido a base sobre a qual o alfabeto grego e os alfabetos fenícios foram criados.
Esta teoria não tem muito valor devido ao fato de que os primeiros escritos fenícios podem ser datados em torno do século XIII/XII a.C., enquanto a mais antiga inscrição rúnica remonta ao século I d.C.
A Teoria Grega
Esta teoria foi afirmada pela primeira vez em 1899 por Sophus Bugge e fala sobre como os antigos povos germânicos adaptaram o alfabeto grego para criar as runas. A teoria é que os godos haviam entrado em contato com uma forma cursiva do alfabeto grego e eles, em seguida, adaptaram a forma cursiva para seu próprio uso, permitindo que o novo alfabeto se espalhasse por onde eles viajassem.
Há problemas com esta teoria que a levaram a ser abandonada por muitas pessoas. Novamente, vemos uma falha temporal nesta teoria. Os primeiros godos teriam sido capazes de adaptar tal alfabeto cerca de 200 anos d.C. e, as primeiras inscrições rúnicas teriam sido criadas mais cedo do que isso.
A Teoria Etrusca
Esta teoria por C.J.S. Marstrander, foi criada em 1928 e reforçado em 1937 por Wolfgang Krause. A teoria diz que os povos germânicos que vivem nos Alpes entraram em contato com o alfabeto do etrusco e adaptaram-no. Em seguida, o Cimbri entrou em contato com o “novo” alfabeto e passaram para os Suevos, que carregam as runas até o rio Reno, ao Mar do Norte, Jutlândia e mais além.
O único “problema” real com este cenário é que o encontro teria acontecido de duzentos a trezentos anos antes de quaisquer inscrições rúnicas que já foram datadas. Mas isso não significa que ele não poderia ter acontecido.

Origem mística
Numa perspectiva esotérica, as Runas não são apenas uma forma de escrita, mas também uma simbolização oracular que permite respostas a perguntas . Dentro da visão mitológica, o surgimento das Runas é atribuído a Ódnn, a divindade máxima do panteão nórdico. Ele era um xamã, entre outras coisas, e como muitos xamãs ainda fazem nos dias de hoje, Ódin se submeteu a uma experiência de “retorno da morte” para alcançar a iluminação. Algumas vezes, este estado de transcendência é conquistado por acaso, em circunstâncias que conduzem o indivíduo ao limite de sua existência, mas, na maioria das práticas xamânicas (rituais envolvendo alucinógenos, transes profundos, danças sagradas e/ou mortificações) são realizadas com este objetivo.

                                            O cotidiano dos povos Vikings

Esqueleto de um guerreiro 




Mulher Viking 







                                      A astróloga Jacqueline Cordeiro, apaixonada pelas Runas, por Odin e povos povos Vikings, em New York, aguardando ansiosa pra ver a exposição em maio/16.


Nenhum comentário:

Postar um comentário